11 maio 2016

CLIPPING: EXPERIÊNCIAS DISTINTAS, OBJETIVOS IGUAIS: FÓRUM LUTA POR JUSTIÇA AMBIENTAL


O momento político e social que vivemos no país afeta diretamente o direito democrático, impactando na população que sofre com a ausência de políticas públicas e ambientais que garantam um bem viver para todos. Essa foi a tônica do Encontro Estadual do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social no Rio, realizado na ENSP e que reuniu pesquisadores, estudantes, moradores da periferia, militantes de movimentos sociais e entidades que lutam por direitos no Brasil, trazendo uma diversidade de pensamentos, entre revelações, reflexões e dados científicos. Organizado pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, o encontro buscou congregar iniciativas comuns para o desenvolvimento de redes de pessoas ou governos na busca por políticas ambientais, além de preparar uma agenda prévia para os fóruns regionais e nacional de mudanças climáticas que acontecerão ainda em 2016.

A mesa, coordenada por João Paulo Couto, assessor nacional de Gestão de Riscos e Emergências/Cáritas Brasileira, contou com exposições do pesquisador de saúde ambiental e saúde do trabalhador da ENSP Marcelo Firpo, da coordenadora de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll, Maureen Santos, do representante do Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo da Baía de Guanabara, Yoshiharu Saito, e da jornalista autora da página Nova Ética Social, no G1, Amélia Gonzalez. Para apresentar os problemas de injustiça ambiental no Rio de Janeiro, os organizadores fixaram um grande mapa do estado no auditório térreo da ENSP, onde os participantes puderam denunciar problemas locais de forma a construir uma representação fiel da situação e que afeta diferentes grupos sociais e étnicos.

Clique aqui para ver a matéria completa.

Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39590>. Acesso em: 11 MAI 2016.

PRAZO PARA ADESÃO SEM CARÊNCIA AO PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR É PRORROGADO

O prazo para adesão, mudança de operadora ou cancelamento do Plano de Saúde do Servidor Municipal (PSSM), que terminaria nesta terça-feira (10/05), foi prorrogado até o próximo domingo (15/05). O período para adesão sem carência ao plano coletivo empresarial também está incluído nesta prorrogação. A portaria do Previ-Rio aumentando o prazo foi publicada no Diário Oficial do Município do dia 10/05.

Para aderir ao PSSM; mudar de operadora, ou cancelar o seu contrato atual, os servidores, ativos ou aposentados, e os pensionistas do Funprevi deverão acessar o sistema PSSM On line, disponível no site e manifestar a sua opção; já para adesão ao plano coletivo empresarial basta acessar aqui

Fonte: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/previrio/exibeconteudo?id=6116023>. Acesso em: 11 MAI. 2016.

02 maio 2016

PREFEITURA ANTECIPA VACINAÇÃO CONTRA A RAIVA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS


Do mês de maio até dezembro, a Vigilância Sanitária vai visitar casas de comunidades de várias regiões para vacinar cães e gatos contra a raiva, a fim de manter a doença controlada no município. Nesse período, que começa na próxima segunda, dia 2, técnicos do órgão vão visitar todas as residências de regiões previamente selecionadas, de acordo com a probabilidade de riscos, antecipando a campanha Rio sem Raiva de 2016.

A vacinação itinerante vai acontecer nas comunidades de Cachamorra, Vargem Pequena, Serra de Bangu, Carapiá, Serra do Barata, Vargem Grande, Caju, Ilha de Guaratiba, Grota Funda, Grumari, Guandu do Sena, Barra de Guaratiba e Augusto de Vasconcelos. Os vacinadores vão bater de porta em porta e vacinar todos os cães e gatos existentes nas residências. O objetivo de antecipar a campanha de vacinação nesses locais e torná-la itinerante é fazer um controle mais eficiente, evitando que os moradores deixem de levar os animais, por não terem como se locomover.  

28 abril 2016

CLIPPING: FIOCRUZ LANÇA E-BOOK INTERATIVO SOBRE O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

A luta pelo direito à saúde e pela consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) tem se expressado a partir da articulação de trabalhadores das áreas da saúde, pesquisadores e militantes dos movimentos sociais nas últimas décadas. O livro O Que É o SUS - um dos títulos mais procurados da Editora Fiocruz, já tendo sido reimpresso cinco vezes - busca esclarecer o que é, o que não é, o que faz, o que deve fazer e o que pode fazer o SUS. Pela importância do tema e da obra, O Que É o SUS, de Jairnilson Silva Paim, foi selecionado para se transformar no primeiro e-book interativo da Editora Fiocruz, no âmbito do primeiro edital da Faperj especialmente dedicado às editoras universitárias. O livro digital contou com a colaboração da Coordenação de Comunicação Institucional (CCI/ENSP) e da Radis, entre outros.
 
O objetivo do projeto não era mudar o suporte do papel para a tela, mas oferecer uma nova experiência de leitura, onde vídeos, áudios, galerias de fotos, infográficos e outros recursos ora complementassem, ora substituíssem partes do texto original, criando uma nova textualidade eletrônica. O resultado é fruto de uma construção coletiva e, antes, do consentimento do autor, o professor da Ufba Jairnilson Silva Paim, que, generosamente, seguiu "o exemplo de João Ubaldo Ribeiro de não interferir na transformação de seus livros em filmes, novelas ou mini-séries, pois, além de outras linguagens, na realidade, tais iniciativas expressam novas criações", nas palavras do próprio sanitarista. Uma nova criação que, assim como o livro de 2009, busca contribuir para a consolidação, o fortalecimento e a expansão do SUS. 
 
Clique aqui para acessar o livro digital


Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39467>. Acesso em: 28 ABR. 2016.

31 março 2016

MINISTÉRIO DA SAÚDE LANÇA SÉRIE EDUCATIVA “CRIANÇAS CONTRA ZIKA”


A educação e a música são importantes aliadas no desafio de mobilizar a população para o combate ao Aedes aegypti e aos vírus Zika, da dengue e da chikungunya. Pensando nisso, o Ministério da Saúde lança nesta quarta-feira (30/3) o projeto “Crianças contra Zika”, usando a música para ampliar os conhecimentos sobre as doenças e formas de prevenção. A ação faz parte do eixo Mobilização e Combate ao Mosquito do Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes aegypti e à Microcefalia.
O projeto “Crianças contra Zika” é formado por uma série de seis videoclipes, com diferentes técnicas de animação e canções elaboradas por músicos brasileiros, que abordam o vírus Zika e o combate ao Aedes aegypti, a fim de incentivar crianças e adultos a adotar atitudes contra o mosquito. O material será veiculado semanalmente pelo SBT, como parte da programação infantil, por meio da plataforma SBT do Bem. O canal também irá exibir minidocumentários, contando o processo de criação de cada compositor.
A série será disponibilizada, ainda, nas redes sociais, e as seis canções serão lançadas e distribuídas, posteriormente, em mais de cem serviços de transmissão de música e lojas virtuais, como iTunes, Google Play, Spotify, Deezer e Apple Music.
Os artistas convidados André Abujamra, Zeca Baleiro, Hélio Ziskind, Arnaldo Antunes, Xis, Marisa Orth e Palavra Cantada compuseram e interpretaram as canções, sob a curadoria musical de André Abujamra. Também participa do projeto a cineasta Baboo Matsusaki, que assina a abertura e o encerramento do filme “O Menino e o Mundo”, indicado ao Oscar 2016, como melhor longa de animação.
O diretor de Comunicação Social do Ministério da Saúde, Walter Vasconcelos, explica que o projeto é importante para a mobilização da sociedade contra o Aedes aegypti, a partir da conscientização das crianças. “De forma lúdica, o projeto cumpre um papel significativo de engajamento popular para o combate ao mosquito. É importante despertar essa consciência nas crianças, para que elas adotem as ações de prevenção desde cedo. Além disso, sabemos que elas multiplicam o conhecimento entre os familiares, promovendo uma mudança de comportamento dentro de casa”, avalia. Vasconcellos ressalta que a qualidade artística dos videoclipes faz com que o material tenha grande apelo, também, entre os adultos.
Clique aqui para ler a matéria completa.

Fonte: Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/22902-ministerio-da-saude-lanca-serie-educativa-criancas-contra-zika>. Acesso em 31 MAR. 2016.

22 março 2016

CLIPPING: VIGILÂNCIA: SAÚDE SELECIONA BOAS EXPERIÊNCIAS DE COMBATE AO AEDES AEGYPTI


O Brasil está mobilizado para o combate ao Aedes aegypti. Diferentes ações são desenvolvidas diariamente para envolver toda a população no controle do mosquito, que transmite a dengue, a chikungunya, além do vírus Zika, relacionado ao aumento de casos de microcefalia. O Ministério da Saúde quer reunir e divulgar essas experiências para que possam ser replicadas em todo o país. Para isso, lançou chamada para premiar as melhores iniciativas desenvolvidas por profissionais de saúde, prefeituras e pela sociedade civil. As inscrições dos relatos devem ser feitas até 3 de abril, no portal da Comunidade de Práticas (CdP).

O Ministério da Saúde espera dar visibilidade às iniciativas, com a promoção da troca de experiências com base no uso dos protocolos e outros documentos de apoio, sejam de dificuldades ou de soluções, e o fortalecimento da educação permanente em saúde. São três categorias, seguindo os eixos de trabalho do Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes aegypti e à Microcefalia: Mobilização e Combate ao Vetor; Cuidado (vigilância e atenção à saúde); e Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa.

“O governo federal e seus diversos parceiros têm apresentado esforços para envolver toda a população brasileira no combate ao Aedes aegypti. Queremos valorizar as iniciativas de profissionais de saúde, servidores públicos e sociedade civil desenvolvidas em todo o território nacional”, explica o diretor de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Alexandre Medeiros.

A premiação está aberta a estudantes, trabalhadores, docentes, gestores e usuários do SUS do âmbito local, municipal, regional, estadual ou nacional, bem como pessoas ligadas a instituições e sociedade civil que desenvolvem experiências relacionadas ao combate ao Aedes aegypti, assim como o manejo das doenças causadas pelo vetor.

Serão selecionados oito relatos, que terão divulgação completa em mídias da Comunidade de Práticas e de parceiros. Os três melhores terão a oportunidade de mostrar sua experiência pessoalmente, por meio de visita técnica ao Ministério da Saúde, em Brasília (DF), com custeio de passagens aéreas e diárias.

Plataforma Colaborativa - A Comunidade de Práticas é uma rede social para troca de experiências e informações sobre saúde. Criada em 2012, a plataforma colaborativa possui cerca de 50 mil pessoas inscritas, entre gestores e trabalhadores do SUS.

A rede busca fortalecer e qualificar as ações e serviços de saúde, com o compartilhamento de conhecimento e de práticas em um ambiente virtual aberto, democrático e participativo. O participante pode interagir por meio de comunidades temáticas, além de ter acesso aos cursos gratuitos online como estratégia de educação permanente e de inovação pedagógica na educação.

Ao dividir uma vivência, o participante dessa rede pode inspirar outros trabalhadores, seja seu relato reflexo de um enfrentamento com resultados positivos ou não. Afinal, dificuldades e grandes desafios também revelam, de forma importante, outros caminhos e alternativas a serem seguidos.

Serviço:

Chamada de inscrições e premiação de relatos: experiência do trabalhador no combate ao Aedes Aegypti

Clique aqui para acessar a matéria na fonte, o regulamento e fazer a inscrição.

Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39256>. Acesso em 22 MAR. 2016.

21 março 2016

CLIPPING: 'OS DESAFIOS DO SUS DEVEM SER LEMA DE TODOS NÓS', AFIRMA DIRETOR DA ENSP


Em 1988, com a publicação da Constituição Brasileira, a saúde passou a ser um bem de todos e dever do Estado. Desde então, pesquisadores de diferentes áreas estudam, militam, empenham-se, realizam e idealizam um Sistema Único de Saúde que seja, de fato, equitativo, integral e universal no que tange a atenção à saúde. Muitos têm sido os percalços: esgotamento de investimentos; rotatividade de recursos humanos em decorrência da precarização do vínculo; e a recente, perigosa e controversa Agenda Brasil, proposta encaminhada ao Palácio do Planalto pelo Senado que ameaça os princípios da Constituição, em especial o direito universal à saúde. A favor do fortalecimento da nossa democracia, a comunidade ENSP, persistente na luta pelos direitos universais à saúde, comemora o dia do #OrgulhoSUS nesta segunda-feira, 21 de março.


O diretor da ENSP, Hermano Castro, lembrou que o Dia do Orgulho SUS, comemorado no Brasil em 21 de março, rememora a data de encerramento da 8ª Conferência Nacional de Saúde – ocorrida em 1986. Essa edição da conferência teve como marco a aprovação das diretrizes para a criação do SUS, marcada também pela ampla participação popular. Segundo Hermano, atualmente, vivemos momentos de transição na política brasileira, os quais “são delicados e de extrema importância para o fortalecimento da democracia do nosso país”, avaliou ele, dizend, ainda, que "os desafios do SUS devem ser tema e lema de todos nós".

O movimento brasileiro #orgulhosus é inspirado na ideia nascida em 2013, no Reino Unido, chamada Change Day. Ela teve início em uma troca de mensagens entre jovens na rede social twitter sobre como eles poderiam melhorar seu serviço de saúde e a assistência à população daquele país. Em pouco tempo, essa iniciativa se tornou uma campanha que envolveu profissionais de todo o sistema nacional de saúde do Reino Unido e outros apoiadores e incentivadores das mudanças. A ideia do movimento popular #changeday é promover melhorias na saúde por meio de mudança positiva a partir da atitude de cada indivíduo.

No Brasil, a campanha liderada pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro está em sua segunda edição e continua motivada a saber qual o compromisso de cada um por um SUS melhor. Este ano, a Secretaria quer aumentar o engajamento social na campanha com a participação de profissionais que atuam no SUS e usuários. Eles podem participar compartilhando uma foto ou vídeo no Instagram com a hashtag #orgulhosus, explicando quais ações cada um faz no dia a dia para tornar o SUS melhor.

Além disso, está disponível, na página do Facebook e Twitter da SMS/RJ, o twibbon #orgulhosus. Assim, todos poderão trocar suas fotos de perfil para mostrar o apoio à campanha. Troque sua foto você também!.

Link de troca de imagem:http://twibbon.com/support/orgulhosus

Clique aqui e veja a matéria na fonte, assim como o vídeo especial da ENSP para marcar o #orgulhoSUS.



Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39270>. Acesso em 21 MAR. 2016.

18 março 2016

SECRETARIA DE SAÚDE COMEMORA O DIA DO ORGULHO SUS

A SMS comemora, no dia 21 de março, a segunda edição do Dia do Orgulho SUS. A data foi criada por iniciativa do Conselho Municipal de Saúde, inspirada em uma ação iniciada na Inglaterra, o Change Day. A campanha de mobilização, que vai desta segunda-feira, 14, até o dia 23, faz parte de um movimento global e voluntário em prol dos sistemas de saúde e busca marcar o compromisso de cada um para tornar a saúde pública melhor.

A campanha de 2015 consistiu em perguntar aos funcionários e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no município do Rio qual o compromisso de cada um por um SUS melhor. Em resposta, mais de 3,8 mil fotos foram publicadas no Instagram com compromissos para melhorar nosso sistema de saúde. Neste ano, a SMS pretende aumentar esses números, contando ainda mais com a participação de profissionais que atuam no SUS e usuários, que podem participar compartilhando uma foto ou vídeo no Instagram com a hashtag #orgulhosus, explicando quais ações cada um faz no dia a dia para tornar o SUS melhor.

Além disso será disponibilizada na página de Facebook e do Twitter da SMS o Twibbon #orgulhosus. Assim, todos podem trocar a foto de perfil no Facebook e Twitter para mostrar o apoio à campanha. A página da SMS no Facebook pode ser acessada pelo endereço página http://www.facebook.com/SecretariadaSaudeRJ. No Twitter, o endereço é http://www.twitter.com/Saude_Rio.

No ano passado, a campanha #orgulhosus alcançou mais de 20 mil pessoas no Facebook e no Twitter. No Google não foi diferente: em apenas sete dias, foram mais de 11 mil menções ao termo "Dia do Orgulho SUS", e 5,1 mil à hashtag #orgulhosus. Um twittaço garantiu o terceiro lugar nos trending topics do Twitter no Rio de Janeiro – isso significa que o Orgulho SUS foi o terceiro assunto mais discutido pelos cariocas nas redes sociais naquela data.

Como participar:

1 - Compartilhar as fotos com a hashtag #orgulhosus nas redes sociais, explicando o que faz no dia a dia para melhorar e fortalecer o SUS;
2 – Trocar a foto do perfil utilizando a ferramenta "Twibbon", que será disponibilizado na página http://www.facebook.com/SecretariadaSaudeRJ;
3 – Realizar eventos e ações nas unidades de saúde para promover o Dia do Orgulho SUS;
4 – Divulgar nas redes sociais essas ações e a importância do Dia do Orgulho SUS;
5 - Fazer um twittaço no dia 21 com a hashtag #orgulhosus.


Fonte: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/sms/exibeconteudo?id=5993260>. Acesso em: 18 MAR. 2016.

02 fevereiro 2016

CLIPPING: ZIKA E MICROCEFALIA SÃO EMERGÊNCIA DE SAÚDE INTERNACIONAL, DECLARA OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira (1/2) que o recente cluster (agrupamento) de distúrbios neurológicos e malformações neonatais reportados na região das Américas constitui uma emergência de saúde pública de importância internacional. Isso ocorreu após o Comitê de Emergência, convocado no marco do Regulamento Sanitário Internacional, ter concluído que há forte suspeita de uma relação causal entre este cluster e a doença do vírus zika. Essa situação constitui um 'evento extraordinário' e uma ameaça à saúde pública de outras partes do mundo.

Declaração da diretora-geral da OMS, Margaret Chan, aceitando o conselho do Comitê de Emergências sobre zika e doenças neurológicas/malformações neonatais

Eu convoquei um Comitê de Emergência, no marco do Regulamento Sanitário Internacional, para reunir conselhos sobre a gravidade da ameaça à saúde associada à contínua disseminação do vírus da doença zika na América Latina e no Caribe. O Comitê se reuniu hoje por teleconferência.

Ao avaliar o nível de ameaça, os 18 peritos e consultores analisaram, em especial, a forte associação, no tempo e no espaço, entre a infecção pelo vírus zika e o aumento nos casos detectados de malformações congênitas e complicações neurológicas.

Os especialistas concordaram haver forte suspeita de uma relação causal entre a infecção por zika durante a gravidez e a microcefalia, embora ainda não comprovada cientificamente. Todos concordaram sobre a necessidade urgente de coordenar os esforços internacionais para investigar e entender melhor essa relação.

Os especialistas também consideraram padrões de propagação recente e a ampla distribuição geográfica das espécies de mosquitos que podem transmitir o vírus.

A falta de vacinas e testes de diagnóstico rápido e confiável, além da ausência de imunidade da população em países recém-afetados, foram citados como novos motivos de preocupação.

Depois de uma revisão das evidências, o Comitê informou que o recente cluster de casos de microcefalia e outros distúrbios neurológicos reportados no Brasil, ocorrido após um cluster semelhante na Polinésia Francesa, em 2014, constitui um "evento extraordinário" e uma ameaça à saúde pública de outras partes do mundo.

Na visão deles, uma resposta internacional coordenada é necessária para minimizar a ameaça nos países afetados e reduzir o risco de propagação internacional.

Membros do Comitê concordaram que a situação reúne as condições para uma emergência de saúde pública de importância internacional.

Eu aceitei esse conselho.

Eu estou agora declarando que o recente cluster de casos de microcefalia e outros distúrbios neurológicos reportados no Brasil, ocorrido após um cluster semelhante na Polinésia Francesa, em 2014, constitui uma emergência de saúde pública de importância internacional.

Uma resposta internacional coordenada é necessária para melhorar a vigilância, a detecção de infecções, malformações congênitas e complicações neurológicas, para intensificar o controle de populações de mosquitos, e para acelerar o desenvolvimento de testes de diagnóstico e vacinas para proteger as pessoas em risco, especialmente durante a gravidez.

A Comissão não encontrou qualquer justificativa de saúde pública para restringir as viagens ou o comércio como medida para prevenir a propagação do vírus zika.

No momento, as medidas de proteção mais importantes são o controle de populações de mosquitos e a prevenção de picadas de mosquito em indivíduos em situação de risco, especialmente mulheres grávidas.



Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/38999>. Acesso em 02 FEV. 2016.

CLIPPING: FIOCRUZ LANÇA NOVO SITE REDE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

A Fundação Oswaldo Cruz lança oficialmente, nesta segunda-feira (1º/2), o novo site Rede Dengue, Zika e Chikungunya. Trata-se de uma versão ampliada do antigo site Rede Dengue e tem como objetivo manter a população informada e atualizada sobre as principais notícias em relação a essas três viroses.

A iniciativa é da Rede Dengue, Zika e Chikungunya, coordenada pela Vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fiocruz (VPAAPS).  A Rede visa a promover a integração de competências e ações, a fim de criar soluções e ser um modelo de ações integradas e intersetoriais para o controle da dengue, zika e chikungunya.

“A ideia é que o site seja um instrumento onde a população em geral possa ter informações qualificadas e de fonte segura, por meio de uma linguagem de fácil compreensão, sobre as principais questões em relação a dengue, zika e chikungunya nos campos do ensino, da pesquisa, promoção, assistência e desenvolvimento tecnológico”, afirmou o coordenador da Rede Dengue, Zika e Chikungunya, José Augusto de Britto, assessor da VPAAPS.

O site está dividido por projetos nos eixos preconizados pela diretriz do Programa Nacional de Combate à Dengue, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, cujas metas abrangem as áreas de controle ambiental, comunicação e informação, gestão, mobilização social, serviços laboratoriais, atenção de referência, educação, pesquisa e vigilância em saúde.



Fonte: Agência Fiocruz de Notícias. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/fiocruz-lanca-novo-site-rede-dengue-zika-e-chikungunya>. Acesso em: 01 FEV. 2016.