09 setembro 2016

ESTUDO EXPLORA COMO A INCIDÊNCIA DE DENGUE VARIA EM FUNÇÃO DA IDADE E DIFERE NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

Com o propósito de caracterizar o padrão de incidência de dengue ao longo do tempo, segundo a faixa etária, no período de 2007 a 2012 nas capitais estaduais brasileiras, a aluna do mestrado em Epidemiologia em Saúde Pública da ENSP, Rayane Cupolillo Ferreira desenvolveu sua dissertação sob a orientação das pesquisadoras Paula Mendes Luz e Cláudia Torres Codeço. As capitais selecionadas, segundo a maior taxa de incidência entre as séries de dengue e dengue grave por faixa etária, em cada região do país para modelagem estatística, foram: Rio Branco, Aracaju, Cuiabá, e Vitória. As capitais pertencentes à região sul do país mantiveram suas curvas de incidência próximas de zero, tendo sido excluídas desta etapa da análise. De acordo com a pesquisa, há maior ocorrência de dengue entre os indivíduos com 15 anos ou mais quando comparados com o grupo de idade inferior, em 3 das 4 capitais (Rio Branco, Aracaju e Vitória). Adicionalmente, como a presença do termo de interação dos grupos etários ao longo do tempo foi significativa para as capitais estudadas, o estudo sugere que, há possibilidade de um deslocamento do padrão etário nas taxas de incidência de dengue no período observado. Além disso, não há diferenças significativas entre as curvas de incidência de dengue grave em Rio Branco, Cuiabá e Vitória para as diferentes faixas etárias no período observado, com exceção de Aracaju, cujas curvas de incidência foram significativamente diferentes para os grupos etários em questão com maior expressão de dengue grave entre os menores de 15 anos.
 
A pesquisa fez uma análise exploratória das séries temporais de dengue em cada uma das 27 capitais brasileiras (26 capitais e Brasília), e selecionou 4 capitais (Rio Branco, Aracaju, Cuiabá, e Vitória). Depois foi realizada a regressão das curvas de incidência de dengue e dengue grave utilizando Modelos Lineares Generalizados com distribuição de probabilidade de Poisson (que expressa a probabilidade de uma série de eventos ocorrer num certo período de tempo se estes ocorrem independentemente de quando ocorreu o último evento). Em vários países onde a ocorrência de dengue é relevante, a distribuição dos casos por faixa etária não é homogênea, levantando dúvidas sobre quais os fatores interferem na dinâmica da incidência de dengue segundo a idade.
 
Clique AQUI e leia a matéria na íntegra.