11 maio 2016

CLIPPING: EXPERIÊNCIAS DISTINTAS, OBJETIVOS IGUAIS: FÓRUM LUTA POR JUSTIÇA AMBIENTAL


O momento político e social que vivemos no país afeta diretamente o direito democrático, impactando na população que sofre com a ausência de políticas públicas e ambientais que garantam um bem viver para todos. Essa foi a tônica do Encontro Estadual do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social no Rio, realizado na ENSP e que reuniu pesquisadores, estudantes, moradores da periferia, militantes de movimentos sociais e entidades que lutam por direitos no Brasil, trazendo uma diversidade de pensamentos, entre revelações, reflexões e dados científicos. Organizado pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, o encontro buscou congregar iniciativas comuns para o desenvolvimento de redes de pessoas ou governos na busca por políticas ambientais, além de preparar uma agenda prévia para os fóruns regionais e nacional de mudanças climáticas que acontecerão ainda em 2016.

A mesa, coordenada por João Paulo Couto, assessor nacional de Gestão de Riscos e Emergências/Cáritas Brasileira, contou com exposições do pesquisador de saúde ambiental e saúde do trabalhador da ENSP Marcelo Firpo, da coordenadora de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll, Maureen Santos, do representante do Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo da Baía de Guanabara, Yoshiharu Saito, e da jornalista autora da página Nova Ética Social, no G1, Amélia Gonzalez. Para apresentar os problemas de injustiça ambiental no Rio de Janeiro, os organizadores fixaram um grande mapa do estado no auditório térreo da ENSP, onde os participantes puderam denunciar problemas locais de forma a construir uma representação fiel da situação e que afeta diferentes grupos sociais e étnicos.

Clique aqui para ver a matéria completa.

Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39590>. Acesso em: 11 MAI 2016.