18 maio 2015

BIOMONITORAMENTO DO AR NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Coleta de botão floral de Delonix regia 
A Coordenação de Vigilância Ambiental em Saúde, através da Gerência de Fatores de Risco Não Biológico (GFRNB), realiza o biomonitoramento do ar com a finalidade de promover a saúde da população exposta aos fatores ambientais relacionados aos poluentes atmosféricos na Cidade do Rio de Janeiro.

O biomonitoramento pode ser realizado através de organismos como peixes, alguns invertebrados marinhos ou terrestres, vegetais superiores e líquens. O ambiente a ser monitorado pode ser aquático, terrestre ou atmosférico, de acordo com a espécie selecionada e as variantes ambientais a serem isoladas conforme a metodologia empregada. Sua análise pode ser realizada em estruturas específicas, anomalias, acumulação de contaminantes etc.

Pode ser necessária análise microscópica, uso de aparelhos sofisticados ou utilizar lesões que podem facilmente ser visualizadas por qualquer pessoa. Também pode ser considerado material de estudo a diminuição populacional de alguns dos seres citados.
Delonix regia (flamboyant)

O biomonitoramento do ar é uma estratégia para análise ambiental em saúde de baixo custo e emprega o uso das plantas como meio para analisar a exposição destas a agentes potencialmente poluentes.

Para este estudo a GFRNB utiliza uma área “livre de poluentes”, que é a área de controle negativo para comparação com o território a ser analisado através de bases de cálculos estatísticos. Atualmente são utilizados como áreas de controle negativo pontos escolhidos através de análise ambiental, considerando diversos fatores, inclusive a presença e diversidade de espécies como líquens. Esses pontos encontram-se em localidades como Alto da Boa Vista, Grumari e Serra do Mendanha.

Liquens
Plantas como Tradescantia pallida (coração-roxo), Delonix regia (flamboyant) e Bauhinia forficata (pata-de-vaca) são utilizadas para análise do processo de formação do grão de pólen. Para o estudo do coração-roxo utilizam-se mudas em jardineiras que ainda serão levadas as áreas a serem analisadas. Do flamboyant e da pata-de-vaca são analisados botões florais das árvores identificadas nas localidades a serem pesquisadas.

A equipe de Biomonitoramento, na etapa atual do projeto, está desenvolvendo as seguintes atividades:
  •      Cultivo e replicação de mudas da Tradescantia pallida (coração roxo), coleta de material botânico de acordo com a espécie utilizada;
  •      Identificação de outras espécies que poderão ser utilizadas para o biomonitoramento;
  •      Georeferenciamento das espécies já selecionadas pela equipe como bioindicadoras;
  •      Análise quantitativa e qualitativa dos dados produzidos pelas amostras coletadas que serão correlacionados aos dados de emissão de poluentes de fontes fixas e móveis.


Equipe na área de controle negativo (Alto da Boa Vista)
Cultivo de Tradescantia pallida (coração-roxo)
Equipe: Girlaine Rodrigues Negreiros de Oliveira – Coordenadora; Ademar da Paixão Lima; Mariza de Salles Guerra Guzzo; Márcio Rogério da Silva; Marcelo Santos Pinto.