09 dezembro 2013

DESASTRES NATURAIS NA RADIS

Acesse na íntegra esta Radis (nº 135) 
Os períodos de seca, as inundações e enxurradas se multiplicaram entre 1990 e 2010, afetando cerca de 90 milhões de pessoas no país. Os registros de estiagem e seca, nessas duas décadas, subiram 73%, de inundações 80%, de desabamentos de encostas 96% e de erosões acima de 88%. Os dados foram divulgados pela edição 135, de dezembro de 2013, da revista Radis, que já está on-line. Na reportagem de capa, um alerta para os desastres naturais e seus riscos. A reportagem chama a atenção para as consequências em curto, médio e longo prazo que as chuvas, enchentes, desmoronamentos e outros fenômenos podem causar quando não há uma cultura de cuidado e prevenção.

"Desde 2010, a Defesa Civil do Rio de Janeiro realiza ações para prevenção do risco de desastres. Entre elas, estão monitoramento das áreas que podem ser afetadas, reflorestamento de encostas, realização de simulados, atuação junto a alunos e professores das escolas municipais, obras estabilizantes, reassentamento de moradores e capacitação de agentes comunitários de saúde, considerados fundamentais na formação de uma cultura de prevenção e no auxílio à resposta a emergências", reforça a reportagem.


A revista traz ainda debates sobre gravidez na adolescência e seu impacto na economia, com base nos dados do relatório divulgado pelo Fundo de População das Nações Unidas, o qual mostra que o Brasil deixa de acrescentar US$ 3,5 bi (mais de R$ 7 bilhões) à sua riqueza nacional por ano devido à gravidez de milhares de adolescentes.

A publicação também discute sobre a ampliação do tratamento da Aids, já que o Ministério da Saúde informou que vai tratar pacientes adultos com antirretrovirais, logo quando a infecção por HIV tiver sido diagnosticada, independentemente da carga viral.

As ações urgentes contra a tuberculose são tema de outra matéria. "O Relatório global da tuberculose 2013, publicado (23/10) pela Organização Mundial de Saúde (OMS), apontou que mais de 22 milhões de pessoas foram salvas pelo programa de tratamento da tuberculose (TB) e que o número dos que tem a doença caiu, em 2012, para 8,6 milhões - com 1,3 milhões de mortes a menos que no relatório anterior".

Disponível em <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/34276> acesso em 09 dez. 2013