30 março 2012

FIOCRUZ E FUNASA ASSINAM TERMO DE COOPERAÇÃO CIENTÍFICA

A Fiocruz e a Funasa assinam, dia 27, um Termo de Cooperação Técnico-Científica que visa ao desenvolvimento de programas, projetos e atividades em pesquisa, ensino, extensão, desenvolvimento tecnológico e informações técnico-científicas para a promoção de ações de saúde ambiental. A cooperação estimula a ampliação do acesso à água em quantidade e qualidade, a prevenção e assistência às comunidades atingidas por desastres e a ampliação de ações de saneamento ambiental articuladas pelas duas instituições. A assinatura do documento será realizada durante o primeiro dia do II Seminário de Saúde Ambiental da Funasa, promovido entre os dias 27 e 29 deste mês.

Para definir as ações que farão parte do Termo de Cooperação, representantes das duas instituições reuniram-se na Fiocruz Brasília, no dia 26. O encontro também proporcionou o planejamento e a definição de estratégias para a realização das tarefas previstas no Projeto Gestão Ambiental, Território e Promoção da Saúde.

“A cooperação com a Fiocruz é de grande importância, principalmente para ampliarmos a nossa discussão e a nossa capacidade técnico-científica. A questão da capacitação como um dos eixos é interessante e necessária, para que efetivamente a gente possa cumprir com o papel de um dos órgãos integrantes do Sistema Único de Saúde”, disse Sheila Rezende (foto), assessora do Departamento de Saúde Ambiental da Funasa, na abertura da Oficina. Sheila defendeu ainda o redesenho da atuação da Funasa e comentou as ações da Fundação relacionadas à saúde ambiental. Para ela, é preciso ampliar a visão sobre promoção da saúde.

O assessor da Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS) José Paulo Vicente da Silva (foto) representou o vice-presidente VPAAPS, Valcler Rangel, na abertura do evento.
Esta uma oficina vai certamente gerar frutos concretos. Dialogar é uma forma muito interessante de iniciar uma cooperação. Temos a oportunidade de dar um salto quali-quantitativo, apontando para uma parceria orgânica. Saltamos de parcerias pontuais, de cooperações e projetos específicos, e passamos a pensar na Fiocruz e na Funasa como duas instituições do campo da saúde pública que agora vão atuar de forma sistêmica com o objeto da saúde ambiental e da promoção da saúdeJosé Paulo Vicente da Silva

Segundo Silva, o Projeto Gestão Ambiental, Território e Promoção da Saúde possui uma visão de território como lugar da produção social da saúde. "A forma de conduzir a existência pode gerar mais saúde ou menos saúde, doença, felicidade, alegria, tristeza”, explicou.

Ainda sobre os temas do projeto, Silva afirmou que, quando se analisa a Política Nacional da Promoção da Saúde, é possível verificar que a visão de promoção da saúde possui ênfase nos hábitos e nas atitudes individuais. “A promoção da saúde é o enfrentamento das causas das causas, ou seja, dos determinantes sociais da saúde. É colocar na agenda a política da habitação, do saneamento básico, educacional. Promover saúde significa pensar e agir, ou seja, atuar em saberes e práticas que tenham potência para enfrentar os determinantes condicionantes do processo saúde doença”, disse.

Silva afirmou que a gestão ambiental incorpora todos os atores do território e se dá em torno das relações entre saúde e ambiente, medida pelos processos de produção e consumo. Ele lembrou que em torno dos 20% dos problemas de saúde brasileiro decorrem da relação entre saúde e ambiente. “Temos um processo de produção e consumo que não é sustentável, não é saudável e que tem gerado uma relação entre saúde e ambiente com inúmeros problemas de saúde”, observou. 

Disponível em: <http://www.fiocruz.br/vpaaps/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=88&sid=38>. Acesso em: 30 mar. 2012